Que as cyphers compuseram maior parte nos lançamentos do ano, isso é verdade. Mas quais foram as que mais se destacaram nesse meio todo?

De uns tempos pra cá, o rap tem ganhado muita força, alcançando milhares de pessoas e todo tipo de público. Na gringa, 2017 foi o ano do rap, deixando pop e outros estilos pouco de lado e tendo ascensão, principalmente com o trap. Devido ao enorme crescimento de público, muitos MC’s surgiram e muitos foram apresentados em cyphers, formato que que reúnem 5 ou mais mc’s, mas há quem venha dizer que não sabemos o que é cypher e que as do Brasil não são e nem deveriam ser nomeadas assim.

O QUE SERIA UMA CYPHER DE MCS?

As cyphers nada mais são que uma reunião de grupos com mc’s que se apresentam com rimas escritas antes, como já apresentadas na BETXXL Freshman,  claro que algumas ainda vão de freestyle, principalmente as de antigamente, onde era bem comum.

Aqui no Brasil, as cyphers se adaptaram e o formato em que são feitas mudou (porque nada tem que ser 100% igual aos gringos, entendam isso), e passaram a ser gravadas em estúdio e os clipes reúnem os participantes em um “1shot” (filmagem continua) como característica principal.

Explicando um pouco melhor, temos o vídeo do canal Sumariando de Rua, contando as origens do termo Cypher, e tá muito bem “dichavado” pra quem quer saber um pouco mais sobre o nascimento desse formato, segue o link:

Agora que você está familiarizado com o termo, estilo e até a história do formato, vamos ao principal.

No Brasil as cypher ganharam popularidade em 2016, mas em 2017 foi ano em que isso explodiu e todos os Mcs queriam mostrar pros outros quem mandavam as melhores linhas ou expressavam o que tinham vontade de falar sobre tudo, desde discurso politico ao lifestyle. E isso aqui não tem nada a ver com qual foi a melhor, mas falar das que nós consideramos as que mais se destacaram nesse ano, não foram avaliadas pelas views e sim pela proposta ou tema que abordaram e como foi aplicada.

Agora vamos começar:

CYPHERBOX 7 – PRAGMÁTICO – ADL, CHS, CORUJA BC1 & DEXTER

Começando pelo projeto Cypherbox, do canal Rap Box, temos a participação de ninguém menos que Dexter completando o time que já vinha com uma mensagem bem séria em relação a política, um pouco de braggadócio, e tudo o que acontece nas ruas, chegando a ter uma lição para todos: Seja consciente!

 

RIMA DELA – ISSA PAZ, SARA DONATO, ANARKA, BIA DOXUM, BRISA FLOW, CLARA LIMA, ALINEGA E ALT NISS

Rima Dela traz o grito feminino sobre a cena musical, a revolta das minas com o machismo do rap, com o racismo e destacando que as mulheres devem ter seu espaço na cena de igual pra igual e que não devem nada pra ninguém.

 

BLACK TOTAL – NiLL, BITRINHO, JAMES VENTURA, NABIL, BLACKOUT, SAU, MAX B.O WILL E FLIP

A revolta de anos e do que acontece no cotidiano de muitos ganha mais voz e reuniu nomes pesados para falarem e discutirem sobre o racismo e injustiças que acontecem contra os negros em todas as quebradas no país e na história.

Uma mensagem real para todos os que duvidam que o povo ainda se cala.

 

AVUÁ – EMICIDA, RAEL, KAMAU, CORUJA BC1, DRIK BARBOSA E FIÓTI

Com a participação dos artistas da casa: Emicida, Kamau, Drik Barbosa, Coruja BC1, Fióti e Rael e fala sobre o racismo e deixa a esperança ao povo da periferia.

É a primeira cypher da Laboratório Fantasma, com seu time de artistas reunidos.

 

POETAS NO ESGOTO – SHADOWCLAN / ARCANOS /TDM / EXPRESSO SUBMUNDO

Se pro Nordeste já era difícil fazer rap, imagina pra quem vem da região Norte?

Fazendo sátira ao nome Poetas no Topo, a música vai desde discurso político, até um pouco de braggadocio e referências. Essa cypher serve para mostrar que o Norte também tem voz mas muitas vezes ignorada pelo fato da distância com o eixo, mostrando que tem muito MC bom, e o mais importante: qualidade.

 

THE CYPHER RESPECT VOL. 2 – ATENTADO NAPALM, CORUJA BC1, RINCON SAPIÊNCIA, XAMÃ, SANT, RASHID

Com uma lírica com bastante técnicas e bastante objetivas, The Cypher Respect 2 conta com grandes nomes do Rap nacional como Atentado Napalm, Coruja BC1, Rincon Sapiencia Xamã, Sant e Rashid, onde cada um mostra oque sabe fazer de melhor em suas composições.

 

CYPHERBOX 10 – “SÉCULO XXII” – ADONAI, BLACKOUT, DALUA, DEREK, IGU

Alguns podem até duvidar do por que nós colocarmos essa na lista, mas cara, na real, num mundo onde o boom bap reinou nas cyphers, é curioso essa junção de “trappers” em uma cypher.

A música vai desde superações, braggadocio, até as famosas ‘alfinetadas’, além de que também levantam a questão dos negros finalmente estarem no topo e com dinheiro!

BENÇÃO – PABLO MARTINS, XAMÃ, CT, PELÉ MILFLOWS, SANT, ADL DK 

Que a 1Kilo é uma espécie de fenômeno entre o público geral, isso não se tem dúvida.

Muitos podem até questionar, mas sim, é uma cypher, e uma das primeiras do grupo, trazendo convidados como Sant e DK, para novamente se expressarem.

 

POETAS NO TOPO 2 – OROCHI | FBC | FROID | SAIN | DUCON | CORUJA BC1 | BACO EXU DO BLUE

Poetas no Topo 2 foi bastante aclamada e  polemizada pelo público devido a acontecimentos envolvendo artistas que estavam envolvidos no projeto. Além disso, a cypher trouxe novos nomes como Ducon, conseguiu desenvolver artistas como Sain e Coruja e mostrou grandes genialidades na composição como o do FBC do grupo DV Tribo.
Além disso, um verso reproduzido por Baco marcou 2017 todo com o suposto ”Ano Lírico” em que movimentou bastante o público, rendendo bastante polêmicas e discussões.

CYPHER LIBERTEM RAFAEL BRAGA! WJ / LODK / JU DOROTEA / DVASTO55 / BAGA

Muito se falou em 2017, e uma das coisas que mais entrou em pauta nesse ano foi a prisão de Rafael Braga, o único a ser preso nas manifestações de 2013, sob uma justiça que falhou no julgamento. A ira e a raiva do povo que pediam a liberdade de Rafael Braga fazendo acontecer uma grande comoção nacional veio a tona, e uma delas foi essa obra que merece estar aqui.

 


 

A matéria não tem intenção de eleger o melhor, nem qualquer posição em um ranking, as cyphers realmente dominaram 2017. Se foi o Ano lírico ou não, só o tempo dirá, mas que foi diferente, foi!

Grandes nomes surgiram, nomes em potenciais também, e fez revelar antigos nomes ao “estrelato”. Agora é só esperarmos pra ver o que 2018 nos guarda, ainda tendo Poetas no Topo 3.3 pra sair e quem sabe outros projetos de outros estados diferentes como foi nesse ano.

Vale citar as cyphers: Nordeste no Comando, Cordel Marginal, Rimas Gerais e Poetisas no Topo!

É isso, se faltou alguma cypher ou que vocês achem que deveria estar aqui, comentem aí ou na page da Ol’ Darth Bástarde.

É noiz!

Colaboração: Bruno Oliveira e Paulo Henrique.

Leave a Reply

Your email address will not be published.